O Programa da Agência Empreendedora Inovação e Tecnologia, tem como objetivo fomentar o aprendizado prático do universitário em sua área de atuação de forma empreendedora, competências bastante procuradas pelo mercado, tais como perfil empreendedor, iniciativa, liderança, autoconhecimento, perseverança e habilidade em lidar com obstáculos, mudanças e transformações, além de prestar serviços à comunidade dando visibilidade tanto ao aluno quanto à Instituição.

A Agência Empreendedora deve estimular as atividades extracurriculares, tais como trabalhos de iniciação científica, projetos multidisciplinares, atividades extensionistas, trabalhos em equipe, monitorias e outras atividades empreendedoras.

A Coordenação da Agência Empreendedora é o órgão responsável por acompanhar o processo de escolha e andamento das atividades, bem como, a validação das mesmas, além de certificar, criar, desenvolver e proporcionar aos acadêmicos.

  • Planejar, Acompanhar e Coordenar as atividades de Extensão, Monitoria, Iniciação Científica e Atividades Complementares;

  • Propor diretrizes e normas para as atividades de Extensão, Monitoria, Iniciação Científica e Atividades Complementares a serem submetidas à Direção Geral e ao CONSUP, de acordo com a política estabelecida pela IES;

  • Definir objetivos, propor estratégias, ações e inovações tecnológicas no âmbito as Atividades de Extensão, Monitoria, Iniciação Científica e Atividades Complementares;

  • Organizar e realizar eventos de Extensão, Iniciação Científica, Monitoria e Atividades Complementares;

  • Elaborar, junto com a Gerência Acadêmica, o plano anual de atividades de Extensão, Monitoria, Iniciação Científica e Atividades Complementares;

  • Emitir os certificados de horas atividades referentes à Extensão, Monitoria, Iniciação Científica e Atividades Complementares e assiná-los;

  • Divulgar junto à comunidade acadêmica as atividades de Extensão, Monitoria, Iniciação científica e Atividades Complementares;

  • Elaborar o projeto Geral e o Regulamento da Agência Empreendedora Inovação e Tecnologia;

  • Elaborar e executar Projetos de Pesquisa em parceria com órgãos de fomentos tais como: CNPQ, Secretaria de Ciências e Tecnologia do Estado de Goiás, Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação e outros afins;

  • Coordenar, gerenciar e dar assistência às atividades da Faculdade Aberta para Qualidade de Vida – FAQV;

  • Coordenar o Conselho de Ensino, iniciação Científica e Extensão – CONEICE cujas atribuições estão descritas no Regimento Geral da IES e no Regulamento Próprio do programa de Iniciação Científica;

  • Revisar e atualizar juntamente com o Conselho de Ensino, Iniciação Científica e Extensão – CONEICE, o Regulamento de Monitoria, Iniciação Científica e Extensão;

  • Elaborar projetos referentes a cursos de Graduação, bem como aos programas de Iniciação Científica e Extensão, para homologação do Conselho Superior – CONSUP, observadas as normas emanadas do Conselho Nacional de Educação;

  • Supervisionar os discentes na organização da Semana Empreendedora da FAI;

  • Auxiliar as coordenações na organização da Semana de Cursos ofertados pela FAI;

  • Elaborar o Plano de Ação semestral da Agência Empreendedora Inovação e Tecnologia;

  • Integrar o CONSUP, o CONSEICE, o CONSPG e demais colegiados;

  • Deliberar sobre o edital que trata das atividades de Monitoria e Iniciação Científica;

  • Submeter-se a treinamento e/ou qualquer curso proposto pela Mantenedora e/ou pelo Diretor Geral;

  • Exercer as demais atribuições que lhe sejam previstas em lei e nesta normativa e em Regulamento próprio da Agência Empreendedora Inovação e Tecnologia.

CRIANDO LAÇOS

Existem muitos conceitos e ideias a respeito de ‘responsabilidade social’. Ética, sustentabilidade, ações voluntárias, entre outros. Este termo tem ganhado cada vez mais repercussão, ao longo dos anos.

A assistência, no seu sentido mais lato, significa auxílio, socorro. Onde quer que haja uma necessidade que o interessado não pode resolver por si e não consiga pagar com dinheiro, a assistência tem o seu lugar. Assistência aos famintos, a sedentos, nus, desabrigados, doentes, tristes, ativos, transviados, impacientes, desesperados, mal aconselhados, pobres de pão ou pobres de consolação, tudo é assistência, auxílio, socorro.” (Correia, 1999).

Esse programa tem por objetivo promover o fortalecimento de vínculo familiares, através de serviços de acolhimento, oficinas temáticas, atividades lúdicas para crianças e atendimento especializado aos usuários da assistência social com abordagem e prevenção da violência, propiciando assim experiências favorecedoras do desenvolvimento de capacidades e potencialidades, com vistas ao alcance de alternativas emancipatórias na prevenção de situações de risco social familiar.

FAIDRILHA

É um evento para promover trabalho em equipe entre os cursos, aplicando a prática das aulas teóricas. A FAIDRILHA será uma excelente oportunidade de engajar diversas atividades interdisciplinares e ampliar o universo linguístico, pois se constitui uma temática rica onde podem ser explorados diversos tipos de linguagens, resgate de brincadeiras, culinária típica e outros!

Este projeto visa integrar a comemoração das festas típicas e temáticas, a quadrilha mesmo fora de época se torna uma festa mais animada e mais propicia para interação de nossos alunos que será realizado no mês de agosto o projeto que nossa faculdade já vem desenvolvendo: Resgate Social, o qual procura exercer a cidadania através de ações concretas, solidárias e participativas, em benefício e melhoria de vida, com o intuito de resgatar a nossa cultura e haver uma integração maior entre comunidade acadêmica, docentes, funcionários e comunidade em geral é que esse projeto se realiza.

SEMANA INTEGRADA DE CURSOS

A realização da Semana integrada de cursos, é parte integrante do calendário acadêmico da Faculdade de Iporá, como exigência institucional e compõe a Semana Acadêmica. Como premissa básica, a semana deve ser caracterizada por atividades que contribuam para a formação do acadêmico.

É ofertado palestras, oficinas e minicursos, como objetivo fundamental a busca pela expansão e pelo aprofundamento do conhecimento em suas áreas afins. O evento oportuniza a vinda de palestrantes oriundo de diversas áreas de atuação farmacêutica, estimulando o perfil

empreendedor do acadêmico e objetivando a exposição de novas experiências, renovação de conhecimento e inter-relacionamento da comunidade acadêmica.

A IV edição da Semana de Assistência Farmacêutica tem como foco o empreendedorismo farmacêutico, aplicando o tema a “Gestão Farmacêutica no Sucesso Profissional”, procurando estimular o espírito empreendedor e sanar dúvidas e curiosidades do mercado profissional.

SEMANA EMPREENDEDORA

O povo Brasileiro é considerado empreendedor, tem muita ousadia e coragem. Desde a descoberta, os colonizadores trouxeram a cultura capitalista, a ideia de mão de obra, compra e venda e o acúmulo de riquezas. Traziam nas veias a aventura de morar em terras desconhecidas, a vontade de possuírem novas oportunidades.

As primeiras empresas brasileiras nasceram de imigrantes ou filhos de imigrantes, durante e depois da Segunda Guerra Mundial. E foi daí que surgiu a cultura empreendedora com o brasileiro sendo empregado pelos imigrantes. A empregabilidade soava como segurança e isso fez com que as famílias e as escolas não preparassem o nosso “ouro” (o empreendedor brasileiro).

O povo brasileiro tem um alto grau de ousadia, aceita assumir riscos, mas ainda carece de capacitação empreendedora que forneça a base necessária para identificar oportunidades, criar a empresa a gerenciá-la de maneira eficaz.

As pequenas empresas da nossa região são responsáveis por grande parte dos empregos e que são essenciais para o desenvolvimento da economia. Portanto é preciso atuar em um ambiente que estimule a criação de novas empresas competitivas e sustentáveis. Neste contexto é que a semana empreendedora da FAI pretende dar suporte. A Semana Empreendedora representa um movimento social de mostrar a capacidade individual do aluno empreender, no processo de iniciar e gerir empreendimentos e despertar o espírito empreendedor.

O enfoque da semana servirá para que possamos refletir e caminhar para uma cultura diferente da cultura do concurso e do emprego. Às vezes os jovens saem prontos para fazer um currículo, mas não para montar uma empresa, por isso, o referido evento será importante para os acadêmicos da FAI e comunidade interessada em empreendedorismo.

O objetivo da Semana Empreendedora é promover o conhecimento e a disseminação de pequenos, médios e grandes empreendedores para a comunidade acadêmica, além de criar internamente no aluna do o interesse em participar de novos negócios, através da integração da teoria à prática e a disseminação da cultura empreendedora universitária de forma permanente, envolvendo a comunidade e o entorno em que vivemos para pensar nas soluções para os problemas atuais na construção de um futuro desejado por todos.

TROTE SOLIDÁRIO

Como agentes socialmente responsáveis, as unidades de ensino superior devem buscar cumprir um papel cidadão que possibilite aos acadêmicos a noção de responsabilidade para com a comunidade na qual está inserida. Neste sentido, a proposta deste trabalho como sugere o próprio título, gira entorno da importância e necessidade da valorização do ser humano através de ações voltadas à solidariedade.

O trabalho apresenta e enfatiza o conceito teórico da palavra “Solidariedade” que em seu sentido mais amplo está diretamente relacionada ao respeito, ação em conjunto e desenvolvimento de valores. As atividades solidárias fazem parte da cultura brasileira, fato este que vem amenizando algumas carências de parte da população, porém tal fato reflete uma característica notável no povo brasileiro: a solidariedade é tida como a capacidade de compartilhar os sofrimentos de outras pessoas e, literalmente, colocar dedicar-se para ajudá-las com ações solidárias.

O exercício da cidadania implica no acesso a um conjunto básico de direitos: civis, políticos e sociais, indissociáveis entre si e resultado de lutas e movimentos seculares promovidos por extratos da população de cada país, em momentos específicos da história. Sendo assim, as unidades de ensino superior percebem a necessidade em se trabalhar algumas atividades de extensão como forma de inserção no contexto socioeconômico do país, prestando assistência direta e especifica à unidades/entidades beneficentes.

Este projeto tem por objetivo vivenciar a solidariedade e cidadania por meio da realização de trote solidário, onde os acadêmicos dos cursos ofertados pela FAI prestam atendimento especifico à unidades beneficentes com ações voltadas à prática de seu curso.